fr en es pt
astronomia
        RSS astronoo

Cinturões de radiação de Van Allen

Cinturão de Van Allen

 Tradução automáticaTradução automática Categoria: Terra
Actualização 01 de junho de 2013

As sondas gêmeas de Van Allen da NASA, lançadas 30 de agosto de 2012, revelou um novo cinturão de radiação em torno da Terra. A missão encontrou um terceiro cinturão de radiação até aí desconhecido em nessas regiões perigosas do espaço.
Sondas de Van Allen consistem de dois satélites idênticos, convenientemente separados no espaço, para melhor identificar os eventos mapear esta região, catalogar as partículas de alta energia e sigar as ondas magnéticas que escapam aos cinturões. A magnetosfera foi descrito em 1958 por James Van Allen durante as medições realizadas por contadores Geiger embutidos no primeiro satélite EUA, o Explorer 1. É nesta época que se descobriu nesta área do espaço conhecido como o cinturão Van Allen. O cinturão de Van Allen, afectado por tempestades solares, é composto de duas partes distintas de radiação com características diferentes. O primeiro é o mais próximo da terra é entre 700 e 10,000 km de altitude, é constituído principalmente de protões de alta energia. A segunda, a maior exterior, está situado entre 13 000 e 65 000 km, é constituído de electrões de alta energia. Esta descoberta monstra el caráter dinâmico e variável dos cinturões de radiação do nosso planeta, de fato o terceiro cinturão persistiu durante quatro semanas e depois desapareceu, talvez destruído por outra onda de choque, a de a erupção solar de 31 de agosto 2012 disse Daniel Baker investigador principal de REPT da Universidade do Colorado. Esta descoberta melhora a nossa compreensão de como essas áreas respondem à atividade solar. Os dados coletados pela o primeiro veículo espacial duplo a analisar os cinturões de Van Allen, foram publicados quinta-feira fevereiro 28, 2013 na revista Science.
O instrumento REPT (Relativistic Electron Proton Telescope) incorporado bordo de sondas há revelado uma terceira estrutura separada da cinturão de Van Allen com uma segunda área vazia do espaço entre as duas cinturões exteriores. Os cientistas hão observado o terceiro cinturão durante quatro semanas, enquanto uma onda de choque poderosa tinha atingido a magnetosfera. As observações foram feitas por cientistas de institutos LASP, Goddard Space Flight Center da NASA, Los Alamos National Laboratory e do Instituto para o Estudo da Terra da Universidade de New Hampshire. Sondas de Van Allen foram projetados para nos ajudar a entender a influência do Sol na Terra e do espaço próximo à Terra, estudando os cinturões de radiação em diferentes escalas de tempo e espaço.

 

As seis sondas de instrumentos fornecem as medidas necessárias para caracterizar e quantificar os processos plasmático que produzem íons e elétrons relativistos muito energéticos. As sondas de Van Allen são parte do amplo programa (LWS), cujo missões foram projetados para explorar aspectos da sistema conectado Sol-Terra e que afetam diretamente a vida e a sociedade. Os instrumentos das sondas nós permitem medir as propriedades de partículas carregadas que compõem os cinturões de radiação da Terra, as ondas de plasma que interagem com eles, os campos elétricos em larga escala que os carregam, eo campo magnético que orienta as partículas. Ambas sondas de Van Allen viajam sobre a mesma órbita excêntrica. Estas órbitas cobrir toda a área de cinturões de radiação. A grande parte da energia solar é liberado no espaço sob a forma de radiação eletromagnética, principalmente na forma de luz visível, mas o Sol emite também um fluxo de partículas carregadas, chamado vento solar. Esse vento solar interage fortemente com a magnetosfera de planetas e contribui a limpar o espaço interplanetário ejetando os gás e as poeiras fora do sistema solar. As erupções solares enviam continuamente as partículas de alta energia no espaço e às vezes, uma bolha de plasma superaquecida e radioativa atinge a Terra. Todas as partículas energéticas emitidas pelo Sol para a Terra, viajando em alta velocidade e são devolvidos permanentemente para os pólos da magnetosfera. E nunca o vento solar atinge a superfície da Terra diretamente. Esta bolha magnética nos abriga da radiação solar mortal.
No cinturão de Van Allen, as partículas energéticas (prótons e elétrons) se organizam em torno da Terra, dependendo da intensidade do campo magnético. Este campo magnético age como um escudo desviando a corrente elétrico do vento solar que flui fora da magnetosfera. Uma exposição, mesmo de curta duração, aos fluxos mais intensos do cinturão de radiação de Van Allen é fatal para os seres humanos. Poucos homens foram do outro lado da magnetosfera frente aos radiações solar fatais, só os astronautas da Apollo que foram em a Lua hão atravessado o cinturão de Van Allen. Mesmo com um escudo de protecção, a exposição dos astronautas foi limitada a menos de uma hora.

 Cinturões de radiação de Van Allen

Imagem: O cinturão de Van Allen. Duas faixas gigantes de radiação chamadas cinturões de Van Allen, em torno da Terra, foram descobertas em 1958. Em 2012, as observações das sondas de Van Allen mostrou que uma terceira faixa possa parecer. Os cinturões de radiação são mostrados aqui em amarelo, em verde, são os espaços entre os cinturões de Van Allen. A mais grande parte das radiações passa ao longo da magnetosfera sem atingir a superfície da Terra, mas um pequena parte se infiltra nos pólos austral e boreal onde o campo geomagnético é mais fraco, isto corresponde a uma zona anelar chamada "zona auroral", é entre 65 e 75 ° de latitude magnética.
crédito: NASA / Van Allen Sondes / Goddard Space Flight Center.

nota: A magnetosfera da Terra é o espaço que rodeia a Terra para além das camadas da atmosfera entre 700 e 65 000 km da superfície. Este fronteira, o magnetopausa, é a membrana que nos isola de espaço interplanetário dominado pelo vento solar.

nota: O vento solar é constituído essencialmente de íons e elétrons carregados ​​pela energia considerável e ejetados a uma velocidade de ≈ 450 km/s, por as reações termonucleares de nossa estrela.
 
           
           
 
1997 © Astronoo.com − Astronomia, Astrofísica, Evolução e Ciências da Terra.
Contact    Mentions légales
raios cósmicos
Os raios cósmicos e mutação das espécies...
 
Animação do vento solar, o fluxo solar enviadas aos planetas
Vídeo ventos
solares no espaço...
 
tempestades solares
A tempestade perfeita
seria devastador...