fr en es pt
astronomia
       RSS astronoo  
 

Terra em crise

A mudança está em curso

 Tradução automáticaTradução automática Categoria: Ecologia
Actualização 01 de junho de 2013

A humanidade continua a observar que tudo muda, adapta-se e morre no mundo ao nosso redor. Este processo interminável que remonta vários bilhões de anos, não temos idéia de como ele irá evoluir, sua definição é ser imprevisível. Você tem que aceitar a viver na ignorância, viver sem certezas fundamentais.
A ignorância é o motor da humanidade. Ignorando o futuro torna o homem mais curioso e inventivo. Bossuet disse:
"Nós queixamo-nos da nossa ignorância, mas é o que faz a maior parte do bem do mundo: Não prevejo que nos comprometemos"
Homem constrói sua vida sobre uma chance absoluta, que é exatamente isso que faz o mestre do movimento e liberdade de seu futuro.
"A ignorância é o motor da humanidade é o que impulsiona os seres humanos para avançar. Esta avanços da história." Claude Vaillancourt
cegos que somos...
Por causa de sua ignorância, o homem foi tão senhor de suas ações. A aventura do homem está em um ponto de viragem que vai agora dar lugar a uma nova forma de vida, mais poderoso e mais adequado para o futuro, cada vez mais complexas.

 

A "macro corpo" Terra é febril e toda a humanidade  pânico, cada inundação, tempestade, tsunami furacão, terremoto e outras empurrou a angústia dos homens. Os efeitos do aquecimento global, como anunciado, pode muito bem ser sentida mais cedo do que o esperado. As projeções são alarmantes: um aquecimento de 1,4 a 5,8 graus Celsius é de fato prevista para o final deste século será o maior aumento da temperatura teria afetado a Terra de cerca de 10 000 anos. Entre a idade do gelo vivida por nosso planeta há 20 000 anos e as melhores vez que ela sabia que 7000 anos, havia apenas 7°. Se a temperatura da Terra aumenta em um século de 5,8 graus Celsius, como anunciado, o mundo dos vivos terão de se adaptar muito rapidamente como nunca ele tinha que fazer e algumas espécies não sobrevivam.
As primeiras conseqüências desse aquecimento já são visíveis. De fato, nós vemos todos os dias que os glaciares estão recuando, como inundações são mais devastadores, como furacões estão cada vez mais mortais, que os períodos de seca, com maior frequência, o gelo do mar Ártico cai para alta velocidade, em suma que a Terra está em crise...

 Glaciar Perito Moreno Argentina

Imagem: O impressionante geleira Perito Moreno, na Patagônia (Argentina).

A grande vulcanismo poderá agravar a crise

    

Todas as erupções vulcânicas afetam o clima do local para regional, e alguns deles, particularmente importante, liberando poeira na estratosfera e alterando o clima global por vários meses.
Atividade vulcânica libera ácido sulfúrico e CO2 na forma de gotículas. Liberações de cinzas podem chegar a milhões de toneladas e até vários quilômetros alta levando a um clima de arrefecimento.
Em 1450 BC., a erupção vulcânica de Santorini, no Mar Egeu será suspenso por uma tal quantidade de poeira, e durante o verão seguinte na Europa e no Oriente Médio, o céu está nublado ea temperatura cai cerca de 0,5°C.
Recentemente, a erupção do Pinatubo, nas Filipinas, em 1991, levou a projeções de até 35 km de altitude. Dois meses depois da explosão, mais de 40% de um cinturão tropical entre 30° N e 20° S foi coberto por aerossóis, resultando em menor temperatura média global entre 0,1 e 1° C.
O vulcão Krakatoa na Indonésia (1883), Augun (1963, Mount St. Helens (1980) nos Estados Unidos e do México vulcão El Chichon (1982) teve o mesmo efeito.

 

Vulcanismo implica uma queda nas temperaturas no curto prazo, mas tem sido um poderoso factor de aquecimento durante o Cretáceo Superior, há cerca de 80 milhões de anos. A temperatura era de 6° C mais elevadas do que é hoje, foi o período mais quente da história da Terra marcada por uma importante actividade vulcânica. Um importante período de vulcanismo pode muito bem começar a qualquer momento e causar uma crise de temperatura, para cima ou para baixo, mais pronunciada do que a desencadeada pela atividade humana, há 50 anos.
Somos ignorantes sobre as forças colossais da natureza, se isso acontecesse, a única forma seria a de se adaptar, pois somos prisioneiros da nossa nave espacial por muito tempo.

Imagem: Erupção do Krakatoa, em 1997, poeira vulcânica na atmosfera projetada afetam o clima da Terra por vários anos com uma queda nas temperaturas médias de 0,25 ° C. Em agosto de 1883, o Krakatoa explodiu, espalhando poeira por cima 70 km na atmosfera.

 Erupção do Krakatoa, em 1997

Populações em risco

    

Um estudo publicado na revista "Meio Ambiente e Urbanização" em abril de 2007, identifica populações de maior risco incorrer devido ao aumento do nível do mar e aumento da intensidade dos ciclones, como resultado da mudança climática.
A pesquisa mostra que 634 milhões de pessoas, ou 1/10 da população mundial, estão localizados em áreas costeiras a 10 metros ou menos acima do nível do mar, cerca de 75% na Ásia.
Os dez países com o maior número de pessoas que vivem nesta área são China, Índia, Bangladesh, Vietnã, Indonésia, Japão, Egito, Estados Unidos, Tailândia e Filipinas.
Os dez países com a proporção de pessoas que vivem nesta área é a mais alta, são as Bahamas (88%), Suriname (76%), Holanda (74%), Vietnã (55%), o Guiana (55%), Bangladesh (46%), Djibuti (41%), Belize (40%), Egito (38%) e Gâmbia (38%).
Os autores deste estudo são Gordon McGranahan, Instituto Internacional para Ambiente e Desenvolvimento (UK), Deborah Balk, da City University of New York e Bridget Anderson, da Universidade Columbia.

 

As principais conclusões do estudo mostram que muitas cidades ao redor do mundo com mais de 5 milhões de pessoas, são parcialmente na zona de perigo de 0-10 metros acima da água.
- Em média, 14% das pessoas nos países desenvolvidos vivem na área de 0-10 metros.
- 21% das populações urbanas dos países menos desenvolvidos estão na área de 0-10 metros. Os países mais pobres são mais vulneráveis à subida das águas. Entre 1994 e 2004, havia 1 562 inundações e 98% de dois milhões de pessoas afectadas por estas catástrofes foram na Ásia. Entre 1990 e 2000, as populações em áreas de 0-10 m de Bangladesh e da China tinha uma taxa de crescimento duas vezes o resto da população.

nota: Os dez países com o maior número de pessoas que vivem nesta área são: China (143,888 milhões), Índia (63,188 milhões), Bangladesh (62.524 mil) Vietnã (43,051 milhões), Indonésia (41,61 milhões); Japão (30,477 milhões), Egipto (25,655 milhões) Estados Unidos (22.859 mil), Tailândia (16.468.000) e Filipinas (13,329 milhões). Publicação por Sage journals

 China inundação

Imagem: Chuvas provocando enchentes, deslizamentos e deslizamentos de lama que matam e forçando a evacuação de centenas de milhares de pessoas. Em julho de 2007, havia mais de 4.000 casas destruídas, 386 mil pessoas evacuadas e dezenas de mortes nas províncias de Yunnan, Chongqing, Shandong e Xinjiang.

Os ciclones

    

O estudo, publicado em setembro de 2007 na revista "Science" por pesquisadores dos EUA do Instituto de Tecnologia da Geórgia e do Centro Nacional de Pesquisa Atmosférica, o número e duração dos furacões é globalmente estável por 35 anos globalmente. No entanto, o número ea proporção de furacões nas categorias 4 e 5 (o máximo na referência escala Saffir-Simpson) quase duplicou desde 1970.
Esse fenômeno tem sido observado principalmente no noroeste do Pacífico, Sudoeste do Pacífico e Índico.
A temperatura nas regiões tropicais das cinco bacias oceânicas onde os furacões forma, aumentou 0,5 graus Celsius 1970-2004. Mas um dos pré-requisitos para a formação de um ciclone é a temperatura das águas superficiais deve ser de pelo menos 26,5° C em pelo menos 60 m de profundidade.
Ainda é difícil avaliar o real impacto do aquecimento global, porque a força eo número de ciclones variam naturalmente a cada 20-30 anos."

 

Hervé Le Treut, diretor de pesquisa do CNRS declarou, em 01 setembro de 2007 Agence France Presse que a ocorrência de furacões como o Katrina pode ser a conseqüência do aquecimento global. De acordo com o climatologista Kerry Emanuel, que publicou um estudo em agosto de 2007 na revista "Nature", os furacões que atingiram o Atlântico eo Pacífico pioraram, tanto em duração e intensidade em cerca de 50% desde década de 1970, mas ele é cuidado para não vincular essa tendência para o aquecimento global, especialmente porque a série é muito curto. Os modelos de simulação são conflitantes, alguns encontrando tal diminuição em 2020, o número total de ciclones (90 por ano) no mundo.

Imagem: O ciclone Katrina visto a partir da Estação Espacial Internacional (ISS). Este é o primeiro furacão observado no Atlântico Sul próximo do Brasil (26 de março, 2004). Fonte Wikimedia Commons.

 ciclone Catarina ISS

conclusão

    

Parece que algumas figuras denunciou a grande parte da humanidade neste aquecimento global, outros mostram que a temperatura do planeta sofre os altos e baixos ao longo do tempo e isso é natural.
Desde o fim da última era glacial, 18.000 anos atrás, o clima é suave e relativamente estável.
Estamos, portanto, neste período, onde ele reina em média 15 graus Celsius no planeta.
No entanto, existe um aumento na temperatura perigosamente rápida, ao mesmo tempo que a natureza desencadeou mais e mais violenta, que o mundo vivo está lutando para se adaptar a essas flutuações climáticas, abandonando as espécies menores.
É como se a Terra estava em crise. Nosso "corpo macro" sofre uma "febre" pouco.

 

Assim como em animais de sangue quente, a febre é uma defesa contra a agressão interna que faz com que ele para ativar certos mecanismos imunes a recuperar o seu equilíbrio. Só espero que estes mecanismos não lutar contra o homem como se fosse um agente infeccioso no exterior.
A humanidade tem agora que provar que é sábio constituem um. Limpo e alienígena do planeta Terra O desequilíbrio que vemos são talvez os acontecimentos pequeno quando comparado com os principais eventos que a natureza pode nos fazer viver.
Nós não temos idéia dos grandes desastres que a Terra sofreu durante sua história e um deles poderia muito bem acontecer de novo.
Talvez nós testemunhando o fim de um mundo estável?

 tsunami
           
           
 
estrelas
 
1997-2013 © Astronoo.com - Astronomia, Astrofísica, Evolução e Ciências da Terra.
Qualquer reprodução é proibida sem a permissão do autor.
Stratovolcano
Vulcões fonte de vida...
 
Cobertura de nuvens
Cobertura de nuvens
mundial...
 
Formação do disco planetário
O inferno do Hadeano...
 
Os asteroides geo-cruzadores - NEO
Os asteroides geo-cruzadores...
 
Sensibilidade às condições iniciais, atrator de Lorenz
Caos e sensibilidade às
condições iniciais...
 
Rotação da Terra
Medir o tempo
que pasa...
 
Estrutura interna da Terra
A Terra
em um aquário...
 
Peixes do Abissais
A vida abyssal é surpreendente...
 
radioatividade
Radioatividade, natural e artificial...