fr en es pt
astronomia
       RSS astronoo  
 

População mundial

A demografia mundial, sempre galopante!

 Tradução automáticaTradução automática Categoria: Ecologia
Actualização 01 de junho de 2013

O número de habitantes sobre o planeta é o resultado de imenso e rápido progresso realizado pelo homem durante estes 50 últimos anos. É suficiente, para convencer-se de olhar os números da esperança de vida.
Em 1900 na França, a esperança de vida era de 45 anos para os homens e 48 anos para as mulheres, em 2007 de 77,6 anos e 84,5 anos (fonte: CIA World Factbook 2007).
Em todo o mundo, passamos de 250 milhões de homens no início da era cristã mais de 6 mil milhões o século 20, aquilo ilustra efectivamente o aumento exponencial da população mundial que continua por conseguinte aumentar perigosamente ao ritmo de 1,17% por ano.
A população mundial em 1970, era de 3,696 mil milhões de habitantes, em 2000 de 6,085 mil milhões. Este crescimento de 80 milhões de habitantes por ano, equivale mais ou menos, a acrescentar sobre nosso planeta, ao população de um país como a Alemanha, e isto todos os anos.
Mas uma baixa rápida da fecundidade está degrau, todos os países e em especial os países em vias de desenvolvimento, o Irão passou de uma fecundidade de 6,5 crianças por mulher em 1985 à 2 crianças em 2008, a China à 1,75 criança por mulher, a Índia passou 2,7 crianças por mulher…
Apesar da baixa de natalidade, é bem difícil crer que a curva vai inverter-se nos anos próximos. Uma vez ainda será necessário que a espécie humana adapta-se rapidamente ao contexto ambiental sem estar a atingir o estado surpopulação que produziria uma catástrofe malthusienne. Uma catástrofe malthusienne designa um desmoronamento demográfico que segue um crescimento exponencial da população e que se deve ao esgotamento dos recursos, consecutivamente à este crescimento. 

 População mundial

Imagem:Contadores criados tomando como referência os números de população mundial considerados para 2009, o INED (instituto nacional de estudos demográficos) e o World População Prospects.

nota: estes números são certamente apenas estimativas porque a margem de erro é importante, deve-se às dificuldades de recenseamento das populações. Em certos países, um terço dos nascimentos não dá lugar à nenhuma declaração oficial.

Nascimentos desde os 01/01/2009 0:00Falecimento desde os 01/01/2009 0:00
 
 
Estes números mostram o número de nascimentos e falecimentos no mundo desde o início do ano 2009.

Estão já surpopulação planetário?

    

A agricultura intensiva e o desperdício da água, as matérias primas, as energias fósseis bem como a pilhagem dos mares, a destruição das espécies animais e vegetais não vão terminar por esgotar pelo planeta?
Em 1798, Thomas Malthus observa que as espécies vivas tendem a ter um crescimento exponencial enquanto que os recursos não podem crescer da mesma maneira. Deduz que uma catástrofe demográfica é inevitável à menos impedir a população crescer.

nota: a surpopulação é um estado demográfico caracterizado por uma insuficiência dos recursos disponíveis para assegurar a perenidade de uma população e a sua descendência, sobre um território local, regional, nacional, continental ou planetário.
É para aquilo que a China adoptou desde o começo anos 1970 uma política de regulação e controlo dos nascimentos para conduzir em 1979 à política da criança única.
Com uma taxa de crescimento anual de apenas 1%, só um casal dá nascimento mais de 40.000 descendentes num milénio, perto de um mil milhões de descendentes em dois milénios e à quase 20.000 mil milhões de indivíduos apenas em três milénios.
Constata-se hoje que o pedido de recursos planetários é superior à oferta renovável.

 

Estamos por conseguinte nesta fase em que é necessário encontrar um nível razoável de crescimento equilibrado para permitir a natureza renovar os seus recursos ao mesmo ritmo que consumimos-o.
Catástrofes malthusianas já têm sido observadas e estudadas em populações animais. 1944, 29 renas foram introduzidos sobre a ilha de São Mateus em mar Béring. Os recursos alimentares eram abundantes e renas não tinham depredador, por conseguinte a população explodiu, atingindo 6000 indivíduos no verão 1963, ou seja um crescimento de 30% por ano.
Alguns meses após esta PIC, toda a população renas declinou e permaneceu apenas 42 fêmeas, renas morreram de fome porque a vegetação grave e tinha sido degradada duravelmente.
Certos observadores das sociedades humanas consideram que a noção de capacidade de acolhimento sobre Terra, deve ser aplicada igualmente às populações humanas e que um crescimento descontrolado da população pode provocar uma catástrofe malthusiana.
O World Wildlife Fund (organização mundial de protecção do ambiente) num relatório datado de 2006, baseado na noção de marca ecológica, considera que os recursos biológicos do planeta são explorados 25% para além da sua capacidade de renovação.

 courbe de population mondiale

Imagem:  Em 2050, com uma taxa de fecundidade de 2,7 crianças por mulher, a população mundial atingiria os 11,8 mil milhões de habitantes. O cenário “elevado”, 10,7 mil milhões (fecundidade de 2,35), o cenário “médio” 9,1 mil milhões (fecundidade 2,1 - necessário à substituição das gerações), o cenário “baixo”, 7,7 mil milhões (fecundidade 1,85 - taxas retida pelas Nações Unidas). Fonte: Nações Unidas.

Aos países mais povoados em 2008

    
País
 
Habitantes
(milhões)
Superficie
(km2)
Taxa
aumento
    
Ucrânia46603 700-0,6%
Rússia14117 075 400-0,5%
Alemanha82357 027-0,2%
Japão127377 8350,0%
Itália59301 2300,0%
Polónia38312 6850,0%
Inglaterra61130 3950,3%
Espanha46504 7820,3%
Canadá339 984 6700,3%
França62675 4170,4%
Coreia do Sul48220 0000,4%
Estados Unidos3049 629 0480,6%
Tailândia66514 0000,7%
África do Sul481 219 9120,8%
Birmânia49678 5000,9%
Turquia74814 5781,2%
Irão721 648 0001,2%
Argentina392 766 8901,2%
Vietnã86331 690 1,3%
China1 3249 677 0091,4%
Indonésia2391 919 4401,4%
Brasil1958 547 8771,4%
Colômbia441 141 7481,5%
Índia1 1493 287 5901,6%
México1071 972 5501,7%
Argélia342 381 7411,7%
Bangladesh147143 9981,9%
Filipinas90300 0002,1%
Egito74995 4502,1%
Sudão392 505 8102,2%
Paquistão172803 9402,3%
Nigéria148923 7682,5%
Etiópia791 127 1272,5%
Tanzânia40945 0872,6%
Congo66341 8212,7%
Quénia37582 6472,8%
 classement des pays les plus peuplés du monde

Imagem: A taxa média de agravamento da população mundial era de 1,2% em 2008.
fonte: População Referência Escritório, estimativa realizada em Julho de 2008.

Urbanisation desde os anos 1970

    

A população mundial desloca-se e concentra-se nas cidades que ficam cada vez mais gigantescas.
Em 1975, uma pessoa apenas sobre três, sobre o planeta, vivia em zona urbana. Durante os anos 1975-2008, a população urbana aumentou tanto que em 2008, excedeu a população rural.
Este crescimento urbano viu a emergência de megalópoles mais de 20 milhões de habitantes.
Entre 1975 e 2008, o número de méga cidades (mais de 10 milhões de habitantes) passou de 3 para 30, quais 22 estão localizados em países em desenvolvimento. Urbanisation é um fenómeno brutal, a cidade tem bem 5000 anos de idade, mas a revolução urbana é recente. Este processo propaga-se agora para o Sul.
A demografia e urbanisation vão também atingir o seu limite e entrar em crise.
Neste espaço à problema, como habitar, alimentar, circular na megalópole de amanhã, mais particularmente estes em gigantes da África e da Ásia já perfilados mais de 20 milhões de habitantes?

CidadePaíspopulação
TokyoJapão37 203 122
Nova YorkEstados Unidos25 945 945
MéxicoMéxico22 968 205
SeulCoreia do Sul22 596 020
BombaimÍndia20 426 991
São PauloBrasil20 218 868
 population urbaine

Imagem: fonte: Divisão da População das Nações Unidas, World Urbanization Prospects: The 2005 de Revisão (2006).

 population urbaine 

A demanda energético mundial

    

A demanda petroleiro mundial vai continuar muito provavelmente a aumentar nos trinta próximos anos. De acordo com a Agência Internacional da Energia (AIE) este crescimento poderia ser de 60%, uma previsão que continua a ser contudo ferida de incertezas, tanto é difícil avaliar a evolução das populações, das economias, os modos de vida, das tecnologias, ou mesmo das evoluções geopolíticas.
O conjunto dos previsores atribui-se sobre o facto do crescimento do consumo será tirado em grande parte pelos países emergentes mais povoados, como a China ou a Índia, que conhecem um crescimento sustentado económico muito.
A demanda destes países aumentará mais rapidamente três vezes que a da zona OCDE para atingir perto da metade do pedido total de petróleo ao horizonte 2030 (contra 13% em 1970).
O planeta não poderá provavelmente fornecer toda a energia que desejamos. Uma revolução vai operar-se sobre o nosso modo bulímico de consumo.

Imagem: tep (tonelada equivalente petróleo)

 demande pétrolière mondiale

Conclusão

    

Parece que os demógrafos tenham muitas dificuldades para considerar a população mundiais.
Os números são certamente apenas estimativas porque a margem de erro é importante, deve-se às dificuldades de recenseamento das populações. Em certos países um terço dos nascimentos não dá lugar à nenhuma declaração oficial. Contra aquilo, a demografia continua a ser galopante e desempenha um papel importante no aquecimento climático, outro problema que a humanidade tem a regular para a sua sobrevivência. Constata, uma elevação perigosamente rápida da temperatura, corroborado pelo resumo do GIEC 2007 que descreveu um aumento da temperatura de 0,74°C durante 100 anos, ou seja mais de 25% mais que o aumento de 0,6°C citado aquando do seu 3.o relatório de 2001. O que é certo, é que nós rejetons cada vez mais CO2 e outros desperdícios nauseabundos e aquilo corre o risco de continuar, porque as necessidades de energia da população mundial aumenta com a demografia.

 

 Observamos ao mesmo tempo que a natureza cada vez mais violenta e ao mesmo tempo desencadeia-se, que o mundo do vivo bate-se para adaptar-se à estas flutuações climáticas abandonando às espécies mais fracas. Todo passa-se como se não éramos os bem-vindos sobre este “macro organismo” a Terra, que se defende por empurrões “de febres” em reacção à uma agressão interna que obriga-o a activar certos mecanismos imunes para reencontrar o seu “equilíbrio”.
Esperam simplesmente que estes mecanismos não combatem o homem como se tratava-se de um agente infeccioso estrangeiro. A humanidade agora cuidadosa deve provar que é um constituinte limpo e não estrangeiro do planeta Terra e para aquilo controlar a sua expansão. Embora as necessidades de recursos, da humanidade sejam cada vez mais gigantescas, ele seja necessário encontrar um equilíbrio para ser aceites sobre esta maravilhosa embarcação espacial solitária.

 
           
           
 
estrelas
 
1997-2013 © Astronoo.com - Astronomia, Astrofísica, Evolução e Ciências da Terra.
Qualquer reprodução é proibida sem a permissão do autor.
Segundo intercalar
Segundo intercalar...
 
Sensibilidade às condições iniciais, atrator de Lorenz
Caos e sensibilidade às
condições iniciais...
 
arbre de la vie
Fronteira entre inanimado
e vivo...
 
Stratovolcano
Vulcões fonte de vida...
 
galáxia NGC1672
Estamos únicos?
 
Os asteroides geo-cruzadores - NEO
Os asteroides geo-cruzadores...
 
Estrutura interna da Terra
A Terra
em um aquário...
 
Regeneração de Órgão, a salamandra
Regeneração de Órgão, a salamandra...
 
Formação do disco planetário
O inferno do Hadeano...
 
arpithecus ramidus
Ardi, com idade
de 4,4 milhões anos...
 
tardigrade, ourson d'eau, water bear
o tardigrade, mais equipado para viver na terra...
 
le mégapode de  l’archipel de Papouasie-Nouvelle-Guinée
o megapodius usa o calor vulcânico...
 
Stratovolcano
Vulcões fonte de vida...
 
Peixes do Abissais
A vida abyssal é surpreendente...
 
Corte Galileano
O Corte Galileano...
 
radioatividade
Radioatividade, natural e artificial...
 
raios cósmicos
Os raios cósmicos e mutação das espécies...