fr en es pt
astronomia
 
 
      RSS astronoo   cerca de   google+    
 

Estamos sós no universo?

Definição da vida

 Tradução automáticaTradução automática Categoria: evolução
Actualização 01 de junho de 2013

A amplitude da pergunta não permite de responder tanto simplesmente assim é que haja uma resposta, porque a pergunta refere-se tanto ao aspecto filosófico como o aspecto químico da vida. Constatamos que a vida evolui no tempo tomando um caminho definido por uma infinidade de parâmetros, o que torna-o indéfinissable e imprevisível.
Existe no entanto uma definição biológica da vida:
“um organismo é diz vivo quando troca da matéria e a energia com o seu ambiente conservando a sua autonomia, quando reproduz-se e evolui por selecção natural. ”
Todos os organismos vivos asseguram a sua estabilidade reagindo às mudanças do seu ambiente.
A vida tem por conseguinte uma faculdade de adaptação e de aprendizagem. Não é antes aquilo a vida?
Mas constatamos também observando as galáxias, as estrelas e os planetas, que a matéria é capaz autode organizar-se sem ser para tanto viva.
Contudo, uma boa definição da vida deve ter em conta este conceito, ou seja, a faculdade que à matéria os escalões progressivamente a escalar da complexidade.
Um estudo financiado pela NASA indica que o intenso bombardeamento de astéroïdes que teve lugar, há quase 4 mil milhões de anos, é suficiente para stérilisé a Terra completamente. O estudo levou sobre um acontecimento conhecido sob o nome do fim dos bombardeamentos (Late Heavy Bombardment) ou LHB.

 

Este acontecimento produziu-se cerca de 3,9 mil milhões de anos e durou de 20 para 200 milhões de anos. Os resultados do seu estudo mostram que, enquanto que os bombardeamentos poderiam ter gerado suficientemente calor para stériliser a superfície da Terra, a vida microbiana ao abrigo no subsolo teria contra muito sobrevivido.
Michael H. New, astrobiologiste declarou: “Estes resultados são importantes porque indicam que se a vida começar antes do LHB, antes de 4 mil milhões de anos, ela teria sobrevivido em refúgios, seguidamente ter-se-ia estendido até a preencher ao nosso mundo.”
A tenacidade da vida não é a prova que está presente por toda a parte no Universo, esperando pacientemente um contexto favorável para prosseguir o seu caminho para a complexidade?
É difícil crer que a vida existe apenas sobre Terra.
Por toda a parte onde há a água líquida, há uma possibilidade de vida mesma sob a crosta congelada de certos planetas ou satélites de planetas.
A vida desenvolve-se em lugares onde mesmo a energia do Sol não penetra, constatamo-lo nas fossas oceânicas do nosso planeta.
Nós reconecemos a vida que quando a vemos!

 vida

Imagem: Terra não é, certamente, o monopólio de moléculas orgânicas, as que compõem os seres vivos. Os blocos de construção da vida podem ser hospedados pelos corpos celestes que caminham na vastidão do espaço e depositados em um planeta hospitaleiro. Se temos dificuldade em definir "vida" quando aparecerá, nós reconhecemos a vida.

Estamos por conseguinte únicos?

    

Enquanto não descobrirmos uma vida extraterrestre, são certamente únicos. Têm em conta as possibilidades que temos de descobrir uma vida noutro lugar. Desde 1995, os astrónomos puseram-se a procurar os exoplanètes e descobriram várias centena e aquilo acelera-se.
As possibilidades de descobrir a vida noutro lugar, crescem cada dia…
As condições físicas são o mesma por toda a parte no Universo: as galáxias contêm estrelas, as estrelas têm planetas gasosos e/ou telluriques, os planetas são constituídos de uma infinidade de elementos químicos como o hidrogénio, o carbono, a água…
Tomam só uma galáxia entre os mil milhões galáxias existentes, a nossa, a Via Láctea.
Na Via Láctea há de 100 para 300 mil milhões de estrelas o que dá um número considerável de planetas. Ainda que as condições necessárias para a emergência da vida são difíceis de reunir, o número de planetas existentes permite-nos pensar que é provável que a vida desenvolveu-se ou desenvolve-se noutro lugar. Os progressos da astronomia vão mostrar-nos que os sítios e as condições favoráveis à vida são universais e que a química do carbono originalmente da vida reencontra-se por toda a parte no Universo.
Não temos hoje nenhuma prova formal desta outra vida mas penso único ele haver um grande número de lugares onde a vida abunda, do estado primário ao estado avançado como o nosso e certamente além.

 

Actualmente a nossa imaginação é bloqueada pela nossa visão egocêntrica do mundo que nos faz crer que a humanidade é o produto único e extraordinário da inteligência mas o tempo dado à evolução é infinito.
A vida tem necessidade de tempos para atingir a complexidade e é o resultado de uma pressão de adaptação ao ambiente. Esta pressão faz que as células vivas são, que um momento é dadas, ou seja o resultado de milhões de fenómenos diferentes devidos ao azar (impactos de meteoritos, cataclysmes planetários,…) quem alteram a estrada da evolução para a complexidade.
Estes fenómenos são verdadeiras contingências a contingência é a negação da necessidade. Uma proposta é contingente se não é necessária (poderia ser falsa). Situação onde o estado de um sistema é determinado pelo valor de parâmetros internos e externos independentes, ou mesmo contraditórios.  cujo a cronologia é quase impossível de reproduzir.
O que faz dizer à certos astrónomos que a vida sobre terra é única. Está certo que é única convenientemente, nós não descobrirá outros homens noutro lugar, mas a vida ela, parece ser uma força, presente no Universo, como a força de gravitação, a força electromagnética, a força nuclear forte e a força nuclear fraca.

Imagem: A prova de vida extraterrestre poderia acontecer em um minuto ou de milhões de anos, mas a vida na Terra tem mais de um bilhão de anos diante dela.

 galaxie NGC 1232 Eridan

A intuição Hubert Reeves

    

“Vou recorrer à uma argumentação indirecta que é a das três janelas: a pequena, a média e a grande.
A pequena janela abre-se sobre a dimensão átomos e moléculas. os astrónomos identificaram em todo o universo os mesmos átomos que os que conhecemos aqui. Não há um átomo presente no espaço que não seja presente sobre a Terra, e vice-versa. Do mesmo modo as moléculas espaciais - cujos algumas têm estruturas importantes, até à 115 átomos - não são diferente das moléculas terrestres. As leis da física atómica são o mesma por toda a parte. A natureza se estrutura da mesma maneira, que seja nos quasars mais remotos ou sobre este moquette.
A grande janela abre-se, quanto a ela, sobre a dimensão das galáxias e as estrelas, ou seja o Universo visível. Todos os astros assemelham-se.
Certamente não são idênticos, mas as suas estruturas, a sua evolução são globalmente o mesma. Lá ainda, a natureza organiza-se da mesma maneira, desde a nossa Via láctea até às primeiras galáxias visíveis.

 

Permanece a janela intermédia, ou seja a nossa, a dos organismos vivos. É uma dimensão que não podemos ver hoje fora da Terra. Mas se a natureza estrutura da mesma maneira a no pequena e grande janela, é-se plausível que ela se estrutura igualmente da mesma maneira na janela intermédia. Melhor: seria surpreendente que a natureza, que tem-se estruturado da mesma maneira todas as às escalas, deixou um vazio ao meio…
Os que não crêem à uma vida extraterrestre avançam frequentemente como argumento o paradoxo dito de Fermi.
Em 1950, o físico italiano Enrico Fermi fazia a pergunta seguinte: se existe estar vivos por toda a parte, e por conseguinte das civilizações que têm atingido níveis de tecnologia superiores os nossos, como faz-se que estes extraterrestres não vieram sobre Terra?

nota: Crédito: série Ciências e Futuro N°158 Maio/Junho de 2009.

 Enrico Fermi

Imagem Enrico Fermi :  Se extraterrestres existem, pedia, onde são por conseguinte?

Kepler à procura de exoplanètes

    

Kepler, o telescópio espacial de plus de uma tonelada, partiu em direção da via láctea, o 6 de Março de 2009 à 22:48 hora Floride, graças um foguete Delta II, à procura de planetas extrasolaires ou exoplanètes.
Os planetas que o telescópio de Kepler vai procurar, são planetas de pequenas dimensões como a Terra, o que Corot não pode aperceber.
Em Março de 2009, os cientistas anunciam ter descoberto 342 exoplanètes, 289 estrelas com planetas e 0 planetas idênticos à dimensão da Terra. Os 342 planetas são gigantes gasosos para a maior parte, mas nenhuma na zona habitável. É para atingir este objectivo que os Americanos lançaram a missão Kepler, visando determinar se há planetas habitáveis fora do nosso sistema solar. Kepler vai observar cuidadosamente durante três anos e metade, mais de 100.000 estrelas da Via láctea, antes situadas nas regiões Cygne e a Lira. Deverá localizar os planetas em órbita em redor de estrelas idênticas ao nosso Sol, rochosos como a nossa Terra e de mais posicionados na zona habitável, ou seja nem demasiado distante nem demasiado perto da sua estrela. Kepler embarca um telescópio especializado de um metro de diâmetro com um campo de visão de 105 graus e uma definição de imagem de 95 milhões de pixéis.

 

Este monstro tecnológico da Nasa vê largo dado que é munido de um fotómetro para medir o brilho de dezenas de milhares de estrelas simultaneamente, a fim de aumentar as possibilidades de descoberta pelo método do trânsito. Um trânsito produz-se cada vez que o planeta passa entre a sua estrela e o observador, nesse momento, o planeta occulte pequena da luz da estrela, produzindo assombrissement periódico detectável. Esta assinatura é utilizada para localizar o planeta e determinar a sua dimensão e a sua órbita.
“A missão Kepler, primeira vez, vai permitir ao humanos da nossa galáxia de procurar planetas de dimensões comparáveis à Terra ou mesmo mais pequenos”, declarou o investigador principal William Borucki do centro de investigação da NASA, em Califórnia.
“Graças às suas capacidades de alta tecnologia, Kepler vai ajudar-nos a responder o uma das perguntas dos mais antigos da história do homem: Há outros seres que nós no universo? ”

Imagem: o telescópio espacial Kepler, de plus de uma tonelada, partiu em direção da via láctea, o 6 de Março de 2009.

 telescópio Kepler

Mais de mil planetas candidatos

    

O telescópio espacial Kepler foi lançado pela NASA em março de 2009. Sua missão é encontrar planetas com características similares às da Terra. Desde o início da missão, em 2009, os astrônomos descobriram 1 235 planetas candidatos para a vida, girando em torno de estrelas distantes.
Kepler leva sua busca observando um rico campo de estrelas, a fim de detectar trânsitos de planetas através da pequena gota no brilho que produz mini-eclipse. Graças a terceira lei de Kepler é deduzida, a partir do período da revolução, a distância entre o Sol do planeta. Esta mostra se o planeta está na zona habitável de sua estrela, não muito perto ou muito longe. Esta ilustração espetacular, encontramos os planetas candidatos de telescópio Kepler.
Suas sombras são representados na mesma escala que as suas estrelas.

Imagem: o telescópio espacial Kepler descobriu 1 235 exoplanetas desde 2009. Um grande número de estrelas têm mais de um planeta, mas temos de olhar em a imagem de alta resolução para as distinguir. Para efeitos de comparação, o Sol só é apresentada na mesma escala, em baixo e à direita da primeira linha, com trânsito Júpiter e Terra. Crédito da ilustração: Jason Rowe, Kepler Mission.

 exoplanetas observados pelo Kepler desde 2009 Sol com a Terra e Júpiter

Imagem: Representação do Sol com a Terra e Júpiter

Ver também

     
      
      
 
estrelas
 
1997-2013 © Astronoo.com - Astronomia, Astrofísica, Evolução e Ciências da Terra.
Qualquer reprodução é proibida sem a permissão do autor.
população mundial 2011
A diminuição de natalidade não é suficiente...
 
inerte e vivo
A passagem entre
o inerte eo vivo
 
tardigrade, ourson d'eau, water bear
o tardigrade, mais equipado para viver na terra...
 
Sistema Kepler-186
A zona habitável do
sistema Kepler-186...
 
DNA transportador da informação genética
A pequena história da evolução ao vivo...
 
Como ver exoplanetas?
Apagar as estrelas
e ver os exoplanetas...
 
Exoplanetas de sistemas Kepler-62 e Kepler-69
Dois novos
sistemas planetários...
 
Pó de carbono
Partículas,
a vida bioquímica...
 
gato do cheshire
Se não há ninguém para
ver, não existe...
 
zona habitável ou ecosfera
as zonas habitáveis ou ecosfera de estrelas...
 
mundo geocêntrico de Aristóteles
Visão egocêntrica,
o homem no centro...
 
astéroide
Asteróide ameaça a vida...